Publicado em

REACT Divertida Mente

ATENÇÃO, ESSE TEXTO CONTÉM SPOILERS!

Mais um da categoria de filmes “nada infantis” da Pixar, hoje vamos falar sobre o filme Divertida Mente (Inside Out, em inglês). O longa foi lançado na metade de 2015 e foi aclamado pela crítica recebendo 97 prêmios! Entre eles um Globo de Ouro e um Oscar.

Como já visto em outros filmes, o Divertida Mente trata de assuntos para adultos, como o amadurecimento das emoções, inseridos em situações cotidianas.

O filme faz uma imersão no desenvolvimento de um ser humano e aborda questões emocionais trazendo conceitos sobre neurologia e psicologia. E relacionando com o que aprendemos aqui na Casa de Miguel, é gatilho puro para expansão do nosso autoconhecimento.

A princípio é retratada a história de Rilley, uma garota de 11 anos que enfrenta uma série de mudanças em sua vida. A principal delas foi sair de sua cidade natal, no estado de Minnesota (EUA), para morar em São Francisco. O enredo se desenrola dentro da cabeça da menina, onde cinco emoções – Alegria, Tristeza, Nojinho, Medo e Raiva – são responsáveis por processar as informações e armazenar as memórias.

No contexto do filme podemos tirar algumas conclusões.

As memórias são fixadas pelas emoções

Durante o filme, as cinco emoções acompanham tudo o que acontece com Rilley. Os principais eventos do dia são guardados em esferas, que representam as memórias. Cada uma delas tem uma cor que está relacionada com o sentimento que esteve presente no acontecimento. 

Isso corrobora com a percepção de que as lembranças são fixadas no cérebro junto com o estado emocional e com a forma que reagimos ao fato. Tanto que cada pessoa interpreta o mesmo fato de maneiras diferentes, pois depende do que cada um sentiu no momento registrado. 

Não existe sentimento melhor ou pior

Apesar de preferirmos os momentos alegres de nossa vida, cada emoção tem a sua importância e é necessário saber usá-las da melhor forma possível diante dos desafios.

A tristeza também é necessária

A personagem Alegria tenta a todo momento ignorar e afastar a Tristeza e isso reflete a forma como a maioria das pessoas compreendem a vida. Como se precisassem estar felizes o tempo inteiro ao invés de trabalhar um equilíbrio e aceitação de todas as emoções que sentimos. A vida precisa de todas as emoções. 

O medo e o nojo são primordiais para nossa sobrevivência

Esses dois sentimentos nos livram de enrascadas. O medo nos desperta a segurança e o nojo desperta autopreservação (física ou social).

A raiva impede injustiças

Gritar não é a solução dos problemas, mas ouvir a raiva é externar indignações com o impulso de corrigir eventuais injustiças. 

Memórias podem ser apagadas

É natural que certas recordações sejam esquecidas com o passar dos anos. Pequenos detalhes que não são utilizados. No filme, essas esferas vão parar num lixão até que virem poeira. 

Subconsciente é um esconderijo

Sendo consciente ou não, levamos nossos medos e traumas para um lugar específico de nossa mente onde guardamos tudo o que pode nos causar problemas.

Suas memórias e experiências define sua personalidade

Algumas recordações são de extrema importância pois determinam boa parte de nossas personalidades. No filme são chamadas de memórias base e cada uma delas define parte do caráter de Rilley. E esquecê-las pode ocasionar uma desconexão com quem você é.

Depressão é desconexão

A depressão inicialmente é uma ressignificação negativa de acontecimentos passados. Ou seja, passamos a interpretar o passado como algo doloroso para nós, como se o presente fosse inferior qualitativamente. 

Temos que aprender a sentir, perceber e aceitar. Compreender porque aquela emoção “apareceu” e ter sensibilidade para lidar com o motivo. Dessa forma você passa a ter controle emocional porque não ficará sofrendo ou remoendo uma emoção. Você identifica e age (mesmo que a ação seja se permitir chorar ou tirar um dia off dos problemas).

Assista também o React de Divertidamente pelo FacebookInstagram e Youtube! Todo mês analisaremos um filme novo, não deixe de acompanhar!